31ª Rodada de Negócios da Moda Pernambucana apresenta coleções coleções de 20 designers

<font style="vertical-align: inherit;"><font style="vertical-align: inherit;">31ª Rodada de Negócios da Moda Pernambucana apresenta coleções coleções de 20 designers</font></font>:


100 expositores participam do evento que acontecerá em três formatos: presencial, virtual e pela pl
mercado ataforma


Com o objetivo de contribuir com a recuperação econômica do Estado, a Associação Comercial e Empresarial de Caruaru (Acic) e o Sebrae irão realizar a 31ª Rodada de Negócios da Moda Pernambucana (RNMP), de 28 a 30 de abril, no Polo Caruaru, seguindo os protocolos sanitários de segurança contra a Covid-19. A edição contará com mais de 100 mil produtos em exposição em 12 segmentos, além de uma rodada de moda autoral com 20 marcas de designers pernambucanos que apresentam suas coleções, após terem participado de processo de incubação. A principal feira de negócios da moda do Norte e Nordeste acontecerá também em formato virtual para contemplar as pessoas do grupo de risco de pandemia. 


Moda autoral

As coleções autorais ocuparão 120m², onde serão apresentadas 20 marcas que participaram de projetos do Marco Pernambucano da Moda. "São empresas diversas de moda masculina e feminina, calçados e acessórios dentro do conceito de autoralidade. Umas têm viés mais criativo, outras mais cultural, outras mais sustentável, e todas foram capacitadas pelo Núcleo Gestor da Cadeia Têxtil e de Confecções em Pernambuco (NTCPE). Nossa intenção é colocar tudo que foi vivenciado em prática nessa amostra, onde acontecerá a venda do mix de produtos no varejo para compradores, expositores e visitantes", explica o coordenador da Rodada de Negócios, Wamberto Barbosa. No espaço, o público da Rodada poderá conhecer também os serviços oferecidos pelo Marco Pernambucano no Agreste. 


Além da rodada de moda autoral, o evento trará 80 expositores em seu ambiente tradicional de exposição, entre marcas de roupas, calçados e acessórios e empresas que oferecem insumos para a indústria, essas últimas estarão na ala InoveTex. ''O mercado da moda continua gerando oportunidades para novos negócios, mesmo com todas as dificuldades impostas pela pandemia. A Rodada de Negócios há 15 anos projetou o Polo de Confecções do Agreste para o Brasil inteiro e, nesse momento, sua relevância se torna ainda maior por fazer a engrenagem da economia girar em ritmo mais acelerado, por meio da edição presencial, com pedidos gerados nos três dias de evento, e na plataforma marketplace, o ano todo", ressalta a presidente da Acic, Ivania Porto.


Protocolos sanitários

Para alcançar os resultados estimados, todos os cuidados estão sendo tomados para garantir a segurança do evento, que será realizado em um espaço de seis mil metros quadrados dentro do Polo Caruaru, às margens da BR 104. Será mantido o distanciamento mínimo de um metro, seguindo o estabelecido pela Organização Mundial da Saúde (OMS), em todas as áreas: entradas e saídas, corredores, filas de acesso aos banheiros, stands, cadeiras, áreas de credenciamento e atendimento, entre outras. Será obrigatório o uso de máscaras por todas as pessoas que estiverem no local e haverá distribuição de álcool em gel em todos os pontos de acesso à feira, além de aferição de temperatura e limitação do fluxo de pessoas dentro do evento com controle nas entradas e saídas. A ventilação natural do espaço também é um fator que contribui para evitar o contágio. 


Visitação espontânea

A Rodada de Negócios também está aberta para visitação de pessoas ligadas ao setor. É necessário apresentar no credenciamento a Classificação Nacional de Atividades Econômicas (CNAE) do CNPJ ao qual o visitante está vinculado. "Basta apresentar, no credenciamento, a comprovação de um vínculo dessa pessoa com uma pessoa jurídica, cuja atividade esteja ligada a cadeia têxtil, ou seja, que seja atacadista ou varejista de produtos de confeccionados têxteis", explica Wamberto Barbosa. (favor informar que o acesso está condicionado a limitação de público) 


Projeções para o mercado

A Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit) projeta para o mercado uma produção semelhante à de 2019. De acordo com pesquisas da Abit, estima-se que manufaturas têxteis e de vestuário devam crescer 8,3% e 23%, respectivamente, na comparação com 2020, e que serão gerados 25 mil empregos com carteira assinada. A expectativa da Associação é que sejam produzidas 5,81 bilhões de peças, o que representa  2,09 milhões de toneladas, número semelhante aos registrados em 2019, que foram de 5,94 bilhões de peças e 2,05 milhões de toneladas. 


Para as vendas no varejo, a Abit espera a comercialização de 6,2 bilhões de peças em 2021, o que representa um crescimento de 25% em comparação com 2020. Em faturamento, a expectativa é de que o comércio atinja R$ 228,9 bilhões até dezembro, montante 26% maior que em 2020. Embora os números pareçam altos, a Abit ressalta que as comparações são feitas sobre uma base baixa e que o setor vinha buscando uma recuperação desde 2010, quando foi surpreendido pela pandemia, sendo um dos mais afetados. 


Parceiros

A RNMP conta com o patrocínio do Banco do Nordeste (BNB), do Governo Federal, da Secretaria de Desenvolvimento Econômico de Pernambuco (SDEC), da Agência de Desenvolvimento Econômico de Pernambuco (AD Diper), na Nacional Têxtil e do Governo do Estado e com o apoio da Prefeitura de Caruaru. O Núcleo Gestor da Cadeia Têxtil e de Confecções de Pernambuco (NTCPE), o Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac), a Associação Comercial e Industrial de Toritama (Acit), a Associação Empresarial de Santa Cruz do Capibaribe (Ascap) e o Sindicato das Indústrias do Vestuário do Estado de Pernambuco (Sindivest / PE) são parceiros da iniciativa.


Da ASCOM

Comentários